terça-feira, 11 de julho de 2006

Em meio à demagogia, um pouco de luz (11/07)

Em meio ao festival de demagogia em que se transformou a batalha pelo reajuste das aposentadorias, o economista José Márcio Camargo escreve hoje sobre o assunto na Carta Política (Tendências). Transcrevo um trecho:

"(...) Os gastos com previdência social no Brasil correspondem hoje a 13% do PIB do país, sendo que os idosos (65 anos ou mais), correspondem a menos de 7% da população. Ou seja, a participação dos gastos com aposentadorias e pensões como proporção do PIB é o dobro da participação dos idosos na população. A título de comparação, gastamos mais que o dobro que os países com a mesma porcentagem de idosos na população gastam (em média, 6% do PIB). Por outro lado, nossos gastos públicos per capita com aposentadorias e pensões são 15 vezes maiores que o que gastamos com a educação de nossas crianças e jovens, que representam 30% da população do país. Como o Orçamento é limitado, se gastamos muito com aposentadorias e pensões, temos que gastar relativamente pouco com outros itens de dispêndio. Como crianças não votam, a educação torna-se um candidato natural. Como o futuro do país depende da educação de nossas crianças, estamos comprometendo nosso futuro para melhorar a vida de nossos idosos. Não parece uma estratégia inteligente nem socialmente justa."

Clique aqui para assinar este blog (Blog do Alon).
Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

5 Comentários:

Anonymous Anônimo disse...

Se é demagogia o que a oposição faz agora com o governo do PT, como se chama o que o PT fazia quando era oposição?

terça-feira, 11 de julho de 2006 14:56:00 BRT  
Blogger Alon Feuerwerker disse...

demagogia

terça-feira, 11 de julho de 2006 14:59:00 BRT  
Blogger Ricardo disse...

Exceto que as aposentadorias são o mecanismo de distribuição de renda mais eficazes até hoje. Portanto, a conta novamente fala besteira.
O problema está no índice de formalização do trabalho no Brasil e na "apropriação" de despesas da União dentro da conta dos velhinhos. O resto é querer tungar mais ainda os velhos.
Só falta agora dizer que os velhinhos brasileiros são marajás. Estamos a um passo disso...

terça-feira, 11 de julho de 2006 16:12:00 BRT  
Anonymous Bartolomeu disse...

Que é demagogia é, mas, afinal, o professor foi o PT, quando vendia bravatas travestidas de utopias. Quem com ferro fere...

terça-feira, 11 de julho de 2006 16:36:00 BRT  
Anonymous frank disse...

É claro que a maioria não é formada por marajás. Mas que os há, há. E em quantidade não desprezível.

O ponto a que alude o economista está perfeito: o estado brasileiro gasta um percentual desproporcionalmente elevado com pessoal (ativos e inativos) - particularmente alarmante é a relação gastos c/ inativos X ativos.

Olhando-se somente as 2 primeiras linhas de gastos do Brasil, tem-se a impressão de que os objetivos do estado brasileiro são 1)pagar juros, 2) pagar salários (ativos e inativos).

As finalidades centrais de um Estado (razões de sua existência!) ficam para escanteio.

sexta-feira, 14 de julho de 2006 17:00:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home