terça-feira, 25 de julho de 2006

Chegar e passar (25/07)

A nova pesquisa Ibope sobre a sucessão presidencial que o Jornal Nacional divulga hoje vai confirmar o estreitamento da vantagem que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem sobre o ex-governador Geraldo Alckmin. O Ibope, o Datafolha, o Vox Populi e a Sensus estão dizendo fundamentalmente a mesma coisa. Se estivéssemos numa corrida de Fórmula 1, poderíamos dizer que Lula já enxerga Alckmin no retrovisor. A propósito, lembrei de algo que o Reginaldo Leme (ou seria o Galvão Bueno?) dizia sobre os adversários de Ayrton Senna: uma coisa era chegar no piloto brasileiro, outra bem diferente era passar. Foi isso que me disseram hoje dois analistas de pesquisa com quem conversei. Ambos acham que Lula está no osso, e que vai ser difícil para Alckmin passá-lo. Apostam que o horário gratuito pode dar uma certa alavancada no petista. Eu tenho dúvidas. Como notei em post anterior, o ambiente entre os eleitores "não-Lula e não-Alckmin" é desfavorável ao presidente, o que mostra certo grau de isolamento dele. Mas os dois analistas citados acima dizem que Lula tem un "núcleo duro" de 40% do eleitorado, patamar que lhe permite disputar em vantagem contra Alckmin num eventual segundo turno.

Clique aqui para assinar este blog (Blog do Alon).
Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

8 Comentários:

Anonymous Marcos disse...

Alon, pode até ser uma torcida inconsciente, mas não acredito que haverá segundo turno. Por um simples motivo: É nítida e cristalina a preferência da maior parte da midia pelo candidato da oposição. Então o que a oposição diz que ocorrerá durante a propaganda eleitoral gratuita, poderá favorecer e muito ao Governo. Observe que fica muito fácil lançar uma acusação qualquer (Assim como o PT fazia, diga-se de passagem) independentemente de ela ser verdadeira ou não (a ligação entre PT e o PCC, por exemplo) e colher o fruto da dúvida. É certo que é mais difícil crescer quem está num patamar maior, mas devemos levar em conta que Lula está com 40 pontos após um ano levando porrada de tudo quanto é lado. É uma situação diferente.

terça-feira, 25 de julho de 2006 17:55:00 BRT  
Anonymous Antonio Lyra Filho disse...

Excelente análise, referente as íltimas pesquisas.
Realmente, chegar perto é uma coisa, ultrapassar é outra.
Você sempe muito sensato nos seus comentários.
Parabens.

terça-feira, 25 de julho de 2006 18:02:00 BRT  
Anonymous Antonio Lyra Filho disse...

Excelente análise, referente as íltimas pesquisas.
Realmente, chegar perto é uma coisa, ultrapassar é outra.
Você sempe muito sensato nos seus comentários.
Parabens.

terça-feira, 25 de julho de 2006 18:03:00 BRT  
Anonymous João Azevedo disse...

Alô, alô paulistas! Alckmin subiu, e muito. Portanto, preparem-se para mais uma "ação revolucionária de resistência à direita" por parte do companheiro Marcola!!!

terça-feira, 25 de julho de 2006 18:27:00 BRT  
Anonymous jose carlos lima disse...

Dizem que as pesquisas a serem veiculados hoje na Globo, mostram Lula e Alckmin praticamente empatados. Isto é resultado desta campanha suja que já dura mais de um ano. Vejo esta campanha muito parecida com a do "caçador de marajás." Embora isto não seja dito claramente, mas é só verficar como, de um ano prá cá, se conseguiu colocar a corrupção como o único ponto do debate eleitoral, assim como o foi a "caça aos marajás." É o moralismo udenista da classe média, que deixa-se levar por este tipo de coisa. Deixa-se enganar. Interessante se notar que as operações da polícia federal, todas dirigidas ao combate à corrupção, quando deveria ser visto como positivo pela população, não isto o que ocorre. Há até quem imagine que não foi Lula mas o PFL/PSDB que determinou que se desbaratasse a máfia das sanguessugas. E esta falsa impressão ocorre face ao poder manipulador da mídia. Isto é lamentável. Chego a imaginar que se Lula não tivesse determinado tais operações, teria sido melhor, eleitoralmente, para ele. Talvez por isso nos 8 anos de governo PFL/PSDB a impressão que se tinha era a de que a polícia federal nem existia. Tanto no governo tucano como no governo petista foram praticados crime de corrupção, caixa 2, lavagem de dinheiro e outros. Há uma diferença, portanto. Lula colocou a polícia feeral em campo. Enquanto FHC. É claro que a mídia não vai esclarecer. A coligação A Força do Povo é que tem que fazer isso no contato com o povo, nos comícios. É a velha história: cobra que não anda não acha cacete. Ficar em casa é que não dá.

terça-feira, 25 de julho de 2006 19:09:00 BRT  
Anonymous augusto disse...

Prezado Alon: Isto é incrível... A mídia que não consegue segurar a ansiedade antecipou a pesquisa do IBOPE e, sem a menor dúvida, deu uma "barriga". Essa "margem de erro" de 10% a menos para Lula e 10% a mais para o Alckmim demonstra o risco que se corre. As pessoas realmente não estão tendo o menor cuidado ou zelo com a sua própria credibilidade. Em nome do quê, me pergunto. Cada dia que passa fico mais estarrecido, até onde essas pessoas pretendem ir? Me impressionou, ainda, o diálogo entre o E.Guimarães e um editor da FSP, conforme relatado em seu blog. Nesse momento, de tristeza, só posso recomendar o ótimo texto de Gilson Caroni Filho no site da Agência Carta Maior e aguardar os seus comentários sobre mais esse papelão da mídia. Um abraço.

terça-feira, 25 de julho de 2006 20:58:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Alon, só não entendi uma coisa nessa pesquisa que talvez você possa esclarecer: pelos números de um eventual segundo turno, Alckmin herda 12 pontos dos nanicos e Lula, 4, o que significa que um eleitorado basicamente de esquerda (quem vota numa Heloísa Helena ou num Cristovam Buarque tem que ser de esquerda), entre Lula e Alckmin, prefere votar num candidato de direita, aliado ao PFL, apoiado por ACM, Bornhausen y otras cositas más. Até concebo esquerdistas mais radicais anulando o voto numa escolha entre um candidato de direita e outro "de direita" (Lula, para essa gente, virou de direita), mas não concebo esse eleitorado votando em coronéis. Você já conhece a teoria da venezuelização da política brasileira, que envolve falsificação de pesquisas. Aposto um picolé de chuchu que não crê nela, mas seria bom você manifestar sua opinião, nem que seja para fazer como Clóvis Rossi, que chamou de "descerebrado" e "idiota de plantão" quem crê em venezuelização.

terça-feira, 25 de julho de 2006 23:00:00 BRT  
Anonymous João Azevedo disse...

Eu acredito em "venezuelização". Não por conta de falsificação de pesquisas, mas por causa da ação do desgoverno Lula, que solapa constantemente as instituições, enrola os pobres e se apóia no gangsterismo político do PT. E esta história de "esquerda x direita" é conversa prá boi dormir, puro marcolismo filosófico. Este é um governo de extrema direita, que enche as burras dos ricos - "como nunca antes nesse país" - e transforma os pobres em pedintes com o Bolsa-Esmola. E quem diz isso não sou eu, é a única candidata de esquerda, H. Helena. Não é à toa que a maioria da "direita" (não existe direita no Brasil, mas atraso), fora ACM e Bornhausen, está com Lula: Inocêncio, Renan, Sarney, Barbalho, Severino, Jucá etc, etc. A eleição se dará entre a centro-"direita" (Alckmin) e a "direita" gangsterista (Lula, PT e Marcola). Por isso, concordo com, como é mesmo o nome dele?? Ah, sim: "Anônimo". Existe sim "venezuelização" no Brasil...

quarta-feira, 26 de julho de 2006 07:10:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home