segunda-feira, 19 de junho de 2006

O que os candidatos não vão te dizer na campanha (19/06)

As duas notícias abaixo, da sinopse de imprensa de hoje da Consultoria Tendências, tratam de um assunto que os candidatos, especialmente Geraldo Alckmin (PSDB-PFL), vão evitar: o peso dos investimentos sociais no aumento da carga fiscal. Ou, se você preferir, a impossibilidade de reduzir a carga tributária sem limitar os investimentos sociais.

IPEA: REAJUSTES DO MÍNIMO CUSTARAM R$ 250 BI - Os aumentos reais do salário mínimo desde o início do Plano Real, em 1994, custaram R$ 250 bilhões ao setor público. O montante corresponde a 12,1% do PIB de R$ 2,2 trilhões estimado para 2006. Se esses reajustes não tivessem sido concedidos, hoje a relação dívida-PIB seria de 37,9%, e não de 50%. Isto significaria uma percepção de risco Brasil por parte dos investidores muito menor e, em conseqüência, juros reais mais baixos. O cálculo faz parte de estudo do Ipea e refere-se apenas às despesas do INSS, que são o grosso do custo fiscal do mínimo nos últimos anos. Sem os aumentos, a despesa atual do INSS seria de 6,1% do PIB, e não os 7,8% estimados para 2006. (OESP/AE)

GASTO SOCIAL DEVE CAIR PARA MELHORAR AJUSTE FISCAL - O Brasil terá de limitar o crescimento dos gastos sociais se quiser reduzir o ritmo de expansão das despesas correntes do setor público. É o que indica estudo realizado pelos economistas Mansueto Almeida, Fabio Giambiagi e Samuel Pessôa. Uma análise detalhada do crescimento das despesas primárias desde 1991 mostra que não é possível fazer um ajuste eficaz do gasto público apenas na base de maior controle das despesas ligadas ao funcionalismo e à máquina pública. Pelo estudo, o gasto primário pulou de 14% para 23% do PIB entre 1991 e 2005 e os com pessoal, de 3,8% para 4,8%. (OESP/AE)

Se qualquer candidato prometer que vai conter os gastos do governo economizando cafezinho, viagens ou cortando cargos de confiança, saiba que ele está tentando te enrolar. Não há como fazer economia real sem mexer em uma ou mais de uma dessas variáveis: benefícios da Previdência, salário mínimo, folha salarial dos servidores, verbas da Saúde e Bolsa Família.

Clique aqui para assinar este blog (Blog do Alon).
Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

6 Comentários:

Anonymous André Pessoa disse...

Ah, mas os candidatos enroladores vão dizer que combaterão a corrupção e que essa economia é que fará diminuir a carga tributária sem cortar gastos sociais.

segunda-feira, 19 de junho de 2006 13:11:00 BRT  
Anonymous paulob disse...

E você acha que elguém vai acreditar nisso? O Lula dizia isso antes de 2002, mas agora acho que ninguém vai sertrouxa de ser enrolado assim de novo.

segunda-feira, 19 de junho de 2006 13:29:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Exceto que este "custo social" poderia ser largamente compensado por uma boa queda nos juros, sem problema algum. Fora que juros não movimenta a economia como salário mínimo e aposentadorias fazem.
Volto a citar o Marcio Pochmann no Primeira Leitura do mês passado, onde ele disseca a falácia do gasto social.

segunda-feira, 19 de junho de 2006 18:59:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Blog. Alon, voltando ao famoso cruzado milagroso de 1986 até hoje, foram 20 anos de tentativas de um Brazil melhor. Só que o sacrificio só foi de um lado, do setor privado, o sacrificio do setor publico nenhum, pelo contrario o inchaço das maquinas publicas, gastança com politicos que triplicaram com a Constituição de 88 com emancipação de cidades com menos de 300 mil habitantes, dotando os de prefeitos, vice, vereadores, assistentes, etc.. só despesas por conta dos contribuintes, que pagam o onus das decisões dos politicos de plantão. E sempre na calada da noite vem as mordidas do leão insaciavel. Até que houve uma tentativa de demissão de 360 mil funcionarios do trem da alegria publicos, privatizações, em contrapartida ao confisco dos ativos da população, no plano Collor, uma tentativa de sacrificio tambem do governo. Nada só sobrou para o povo, o congresso só aprovou o confisco o restante o outro lado da balança, os politicos não podiam sacrificar os seus apadrinhados, e rebentaram o plano na espinha dorsal.
E de esperança estamos até agora, novamente as eleições, estamos tão atolados neste lamaçal politico, com visão turva, acorrentados ao peso dos impostos, atordoados com balas perdidas, com chances perdidas ao longo destas decadas, hoje sinto que sou mero cobaia no meio destes experimentos magicos dos governantes ``mandrakes``.
Yoshio

segunda-feira, 19 de junho de 2006 21:05:00 BRT  
Blogger pico disse...

Caro Alon,Perfeito. Seria importantíssima uma discussão séria e uma equação objetiva sobre os investimentos sociais, necessários ou possíveis, bem como, a sua forma de financiamento, os seus limites e as suas incompatibilidades.
Embora você não tenha feito nenhum comentário, até mesmo por não ser algo tão significante, como velho comunista eu não poderia deixar passar batido. Sabem daquele ditado “água de morro abaixo, fogo de morro acima e mulher quando quer dar... ninguém segura”. Pois é, foi o que aconteceu com o PPS. O partido, depois de muito ensaiar uma candidatura própria, caminhou alegremente para os braços dos Tucanos e, o que é mais lastimável, um político da envergadura e com o passado do deputado Roberto Freire, vem a público fazer afirmações tão levianas a respeito de Lula e, pior ainda, indicar como saída a candidatura PSDB/PFL. No jornal “XV CONGRESSO NACIONAL DO PPS”, edição de 24 a 26/março pp., o mesmo Freire dizia “vamos mostrar ao Brasil que o PT e o PSDB/PFL não são pólos opostos; ao contrário, significam mais do mesmo” e, mais ainda, “PT e PSDB vão continuar a disputar qual dos dois comandou o governo mais corrupto... nós não estamos misturados à lama, e ela não gruda na gente”. Parece que grudou.
Pico

terça-feira, 20 de junho de 2006 13:16:00 BRT  
Anonymous lsilva disse...

Estamos diante de mais um engodo eleitoral, o governo terá que cortar despesas ainda este ano, os investimentos no social já foram cortados para o ano de 2007, quem tiver curiosidade entre no site do INESC, quem aliás sempre defendeu o governo Lula, chegando a publicar uma carta aberta dizendo que as elites conspiravam contra elle.

terça-feira, 20 de junho de 2006 17:26:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home