quinta-feira, 25 de maio de 2006

Só prá não dizer que não falei de flores, ou de pesquisas (25/05)

Outro dia fui aqui criticado por estar excessivamente "anos 70". Pois recuemos então para os anos 60. O título acima (só a parte das flores, não a das pesquisas) é de uma música de Geraldo Vandré, ícone da resistência no Brasil ao regime militar (1964-1985). Acabou mais conhecida como "Caminhando". Não ganhou, mas foi o sucesso do III Festival Internacional da Canção, em 1968 (foto).

Essa divagação é só para dizer que vou falar das pesquisas de ontem (CNT-Sensus e Datafolha), mas apenas para não ser criticado por não ter falado. Pois elas só indicam que, rigorosamente, nada mudou no cenário eleitoral. As tendências parecem oscilar em torno de uma certa paisagem. Como aqueles bonecos popularmente chamados de "João Bobo". O que parece que vai mudar de inclinação, mas volta sempre à mesma posição.

Transcrevo um trecho da análise de Vinicius Torres Freire publicada hoje na Folha de S.Paulo:

"Lula pode contar ainda com o efeito do espraiamento das bolsas sociais. Dos empréstimos baratos para pequenos agricultores. Da contínua capilarização da rede de contatos entre eleitores desvalidos e serviços do Estado. Tais programas começaram sob FHC, mas ganharam volume sob Lula. Se não vier a tormenta financeira, o país crescerá mais até a eleição. Deve haver menos desemprego, menos inflação, indicadores dos mais decisivos para a popularidade do governante. Para aqueles que vivem nas margens do mercado, os programas sociais têm efeito parecido. O eleitor não vota só com o estômago? Sim, mas os problemas das políticas de Lula são mais visíveis para quem tem o lazer de pensá-las com mais profundidade. Além do mais, os efeitos da má governança não aparecem de hora para outra -podem surgir no segundo mandato. Por ora, parece pesar mais na disputa do voto o contrato político básico de Lula com o eleitor: 'melhorar a vida do povo'. Sustentável ou não, o contrato continua mantido."

Não sei bem o que o Vinicius quer dizer com "má-governança", mas é uma opinião dele que respeito, ainda que não concorde com o que acho que ele quer afirmar. No mais, ele resumiu a seu modo e com seu viés (sim, todos temos viés) por que Lula vai bem e Alckmin nem tanto. Os tucanos não se prepararam material ou espiritualmente para enfrentar um bom governo na eleição. Por enquanto, só o que fazem é xingar Luiz Inácio Lula da Silva e o PT. Não está funcionando.

Você pode não concordar comigo que Lula esteja fazendo um bom governo. Mas veja na tabela abaixo, retirada da pesquisa Datafolha, que mais de 60% dos simpatizantes do PSDB acreditam que a administração do petista é pelo menos razoável (ótimo, bom e regular). Entre os simpatizantes do PFL, esse número passa dos 70%. Clique na imagem para ampliar e ver.


Tudo isso já foi escrito aqui neste blog tantas vezes que até para mim mesmo começa a parecer cabotinismo. Que, segundo o Houaiss, é o atributo "relativo a [indivíduo] ou [o próprio] indivíduo presunçoso, vaidoso, que (...) tenta atrair sobre si as atenções, e alardeia as qualidades que pretensa ou realmente possui".

É possível um blogueiro não ser cabotino? Ainda mais um blogueiro jornalista? Sinceramente, não sei.

Clique aqui para baixar uma versão .mid de "Prá não dizer que não falei de flores".

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog (Blog do Alon).
Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

7 Comentários:

Anonymous Joel Palma - Guaratinguetá disse...

Alon, vale, nesta situação, seu "cabotinismo" mitigado... Como escrevi em outra oportunidade, você se utiliza de técnicas de comunicação social que são as ferramentas para a avaliação do processo de marketing político. E acima de tudo, você tem o que todo marqueteiro de sucesso tem: feeling, a percepção e a sensação (baseada em um caldo de cultura de informações diversas) dos acontecimentos futuros. Esses instrumentos é que nos permitem vislumbrar tendências e perceber os rumos que toma a política. Parabéns e continue cabotino assim...

quinta-feira, 25 de maio de 2006 11:08:00 BRT  
Anonymous Dourivan Lima disse...

Alon,
Concordo com o que o Joel disse sobre seu feeling - e acabo obrigado a concordar com o que você mesmo admite sobre o seu viés.
Sobre o artigo do VT Freire, particularmente não gosto desse modismo do uso de governança, que embora não seja palavra nova em português, estava em desuso até a febre das buzzwords "corporativas".
Mas quem sabe o comentário dele não pareça menos cheio de viés (também uma palavrinha antiga que, na minha ignorância sobre o assunto, acredito ter voltado à moda por influência do uso de "bias" no debate político americano) se lembramos que a "má-governança" do governo Lula é a mesma do primeiro mandato de FHC, que resultou no estado de crise quase permanente do segundo mandato. Ou seja: a acomodação com resultados que tranqüilizam o "mercado" e os leigos, mas não se sustentam a longo prazo - e, na condição de leigo eu também, recorro a análises feitas por gente que me parece insuspeita de torcer por um fracasso eleitoral de Lula, como Delfim Neto, Luiz Gonzaga Beluzzo, Paulo N. Batista Jr., Pastore etc.

quinta-feira, 25 de maio de 2006 11:45:00 BRT  
Anonymous Swamoro Songhay disse...

Alon, concordo também que nada mudou no cenário eleitoral. Ambos os candidatos variam pouco em relação às pesquisas anteriores. A grita toda deve-se à expectativa de crescimento rápido do candidato oposicionista: como pode uma candidatura de oposição não capitalizar os fatos fartamente divulgados nos últimos meses? As preocupações também não devem passar ao largo no lado governista: como pode um candidato com grande exposição e aparentemente imune às denúncias, ainda situar-se em torno de 40% das intenções de voto? Aparenta que o eleitor não parece estar tão convencido entre avalizar uma continuidade ou apostar numa mudança ainda com tênues contornos. Ou seja, parece não existir um descolamento tão forte, como o alardeado, entre a imagem do atual presidente e os problemas ao seu redor (na última pesquisa ele tem o dobro da rejeição do candidato oposicionista). Fenômeno semelhante pode ser colocado à candidatura da oposição.

quinta-feira, 25 de maio de 2006 11:46:00 BRT  
Anonymous carcamano disse...

Se o Freire em seus momentos de lazer analisou (ou sabe quem o fez)com a devida profundidade (nem vou me referir à competência) os programas sociais, poderia fazer o favor de compartilhá-los. Uma frase assim, jogada no meio do texto, sem referência aos problemas ou onde encontrar a análise, parece má vontade (foi o termo mais gentil que encontrei).
Ou é apenas uma posição ideológica que condena a priori qualquer transferência de renda para as camadas mais pobres?

quinta-feira, 25 de maio de 2006 12:41:00 BRT  
Anonymous Kleber Matos disse...

Alô Alon, daqui de cabotina do leste, estou aqui também para dizer que falei das flores. Pô, achar insuspeito Delfim, Beluzzo, Pastore, etc, só quem desacredita da possibilidade de suspeição. Faz mais de 20 anos que esses caras dão receitas e na hora de tratar do doente, míngua o remédio. Mais cabotinos que eu. O Batista jr. tem seus dias de Nelson, tem seus dias de Rodrigues. Cabotina aqui e acolá também. A amanhã meu caro, só se for hoje. Abraços, saúde e sorte!

quinta-feira, 25 de maio de 2006 13:00:00 BRT  
Anonymous Fernando disse...

Alon, seja mais honesto. Quem concorda com você que Lula está fazendo um *bom* governo são só 21% dos eleitores do PSDB, e só 29% dos eleitores do PFL. Regular não é bom.

Acho que qualquer pessoa esclarecida sabe que, por pior que seja a incompetencia na governança (e bote incompetencia nisso), o verdadeiro desastre está no campo ético. Ou aderimos ao "rouba mas faz"?

quinta-feira, 25 de maio de 2006 14:21:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Outra de suas maravilhosas análises, Alon. Eu só acrescentaria um fato que você não mencionou não sei se por pensar diferente ou por não ter notado (o que acho mais difícil): a população simplesmente não crê nas denúncias contra o presidente e, mesmo as que existiram fortes contra seu partido, essa população não condena o PT inteiro pelos atos de corrupção - e é disso que se trata - de alguns petistas, além de não reconhecer nos acusadores deles gabarito moral para acusarem-no. Por isso, apesar de discordar de algumas de suas opiniões, Alon, (como a de que FHC foi um bom governante), leio seu blog e tenho link para ele no meu blog (http://edu.guim.blog.uol.com.br)

quinta-feira, 25 de maio de 2006 17:19:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home