terça-feira, 16 de maio de 2006

O Tet do PCC (16/05)

São Paulo amanheceu calma. Na falta de novidades sobre a rebelião do Primeiro Comando da Capital, vai aqui um link para a página do Tet na Wikipedia. Foi a ofensiva militar deflagrada em janeiro de 1968 pelo Vietnã do Norte e pela Frente de Libertação Nacional do Vietnã do Sul (Vietcong), contra os americanos e seus aliados sul-vietnamitas. Acabou em derrota militar dos atacantes, que entretanto obtiveram importante vitória política na guerra de propaganda. Qualquer semelhança não é mera coincidência. Com sua rebelião, o PCC mostrou que as autoridades paulistas não têm o controle da situação penitenciária e de segurança no estado. Mostrou também que divergências político-eleitorais podem impedir uma ação conjunta dos poderes federal e estadual, mesmo em situações extremas. Na foto famosa de Eddie Adams (Associated Press), o general sul-vietnamita Nguyen Ngoc Loan executa o capitão vietcong Nguyen Van Lem durante o Tet. A foto ganhou o Prêmio Pulitzer de 1969.

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog (Blog do Alon).Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

6 Comentários:

Anonymous Fernando disse...

Obrigado Alon. Você deu o melhor argumento para justificar a recusa do governador em colocar as Forças Armadas nas ruas de São Paulo.

terça-feira, 16 de maio de 2006 10:23:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Tet do PCC parece também ser o Waterloo de Alckmin - os tucanos serão felizes se Serra não for derrotado de brinde também. A verdade é que faz tempo que os presídios estavam fora do controle do governo estadual - que insistia em tapar o sol com a peneira em meio a declarações grandiloqüêntes tipo "O PCC acabou". O governador atual não merece comentário, mas seus assessores são exatamente os mesmos homens que fecharam os olhos e permitiram que a situação chegasse a este ponto, sob o comando daquele que antigamente era chamado Geraldo "Banho de Ética" e a partir de agora será conhecido por Geraldo "Banho de Sangue".

terça-feira, 16 de maio de 2006 10:40:00 BRT  
Blogger Marco Aurélio disse...

Alon

Estou cheio de ouvir a frase pessimista e lugar comum:

“Tudo vai acabar em Pizza”

Até numa situação séria como essa dos ataques do PCC não deixamos de ouvi-la.

Hoje dei uma sugestão de receita de pizza. Se puder, dê uma olhada.

Um abraço

Marco Aurélio

terça-feira, 16 de maio de 2006 10:52:00 BRT  
Anonymous Luis Carlos disse...

A onda de violência começou no dia em que o tucanato/pefelê completou 11 anos, 4 meses e 12 dias no poder no estado de São Paulo. 11 anos! Governando o segundo orçamento do país, quanto anos a mais seriam necessários para fazer algo decente em relação ao sistema penitenciário e a FEBEM? O editorial do Estadão de hoje já dá o tom de como será feita, daqui pra frente, a campanha de contra-informação, de dispersão das críticas. Como diria o José Simão vão usar o tucanês. O negócio é se eximir da culpa: “não é conosco”, “é culpa do baixo crescimento da economia”, “a justiça não é eficiente”, “olha lá o que a justiça fez com a lei dos crimes hediondos” etc. O que não sai da minha cabeça é o tempo de governo: mais de 11 anos!. Destes 11 anos, 8 anos governando junto com o governo federal. Dá pra imaginar quanta coisa acontece num país durante 11 anos? Ou com o mundo? O fracasso é retumbante. E os petistas que não se iludam, pois o partido não se entende nesta área, tanto que queimou o filme do secretario de segurança do Lula e o governo federal sentou em cima da verba voltada para a segurança. Tenho a ligeira impressão de que a contribiução do PT é menor na questão da violência porque o partido nunca governou SP e só recentemente entrou no governo federal. Concordo com o Alon, o embate Tucano X PT impediu uma ação mais eficiente. Na disputa pelo poder, a área de segurança já tem dono: é o PCC. Afinal o caos acabou porque o Marcola ordenou. Tá tudo dominado...

terça-feira, 16 de maio de 2006 13:09:00 BRT  
Anonymous augusto disse...

Prezado Alon:
Como não dá prá falar de política sem falar no principal ator desta cena no Brasil, a mídia, acredito que este episódio serviu, pelo menos, para formar um novo paradigma na abordagem do tema. Vamos aguardar o próximo confronto no RJ para checar se a mídia manterá o mesmo equilíbrio, calma, sentatez e valorização da polícia e dos governantes como ficou, para mim, explícito dessa feita. Um abraço.

terça-feira, 16 de maio de 2006 13:29:00 BRT  
Anonymous l silva disse...

paz
justiça
e liberdade!

diz alguma coisa

'braço

quarta-feira, 17 de maio de 2006 11:42:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home