quarta-feira, 31 de maio de 2006

Lula, FHC e os gastos com pessoal (31/05)

Trecho de reportagem de hoje em O Globo (Regina Alvarez) sobre o aumento do funcionalismo dado por Luiz Inácio Lula da Silva (PT):

"No governo Lula foram abertas 82 mil vagas através de concurso. Se descontados o número de terceirizados substituídos e os servidores aposentados, a contratação líquida por concurso é de 22.700 pessoas. Os gastos com pessoal cresceram mais fortemente em 2006, comparados com o ano anterior, mas ainda se mantêm abaixo do patamar de 2002 — último ano do governo Fernando Henrique — em percentual do PIB. Naquele ano, eles correspondiam a 5,34% do PIB e em 2006 devem ficar em torno de 4,99% do PIB, comprovada a previsão do governo para o crescimento da economia. (...). Na negociação do Orçamento de 2006, o relator Carlito Merss (PT-SC) ajustou as despesas de pessoal de forma a atender o desejo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que quer encerrar o primeiro mandato concedendo para cada servidor pelo menos o equivalente à inflação do período (29%)."

Ou seja, como proporção do PIB, Lula gasta menos com o funcionalismo do que gastava FHC. Mesmo reduzindo a terceirização. E mesmo reajustando os salários dos funcionários públicos pela inflação, coisa que o tucano não fez. Vida dura para os marqueteiros da oposição. Não é popular defender que os funcionários públicos devem ficar à margem do crescimento da economia, para que sobre mais dinheiro para os investimentos estatais.

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog (Blog do Alon).
Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

6 Comentários:

Blogger Ricardo disse...

Alon

A comparação é esdrúxula porque pega um ano de crise, e compara com um ano de crescimento mais forte. A diferença estatística é muito baixa. E, na verdade, os gastos tendem a aumentar brutalmente a partir de 2007, pois funcionário público pressiona mais fortemente as contas públicas do lado previdenciário.
Somando ambas contas, Lula aumentou sim os custos com servidores - especialmente se trazê-los a custo presente, não por um retrato estanque de momento.

quarta-feira, 31 de maio de 2006 11:56:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Saberemos se a comparação é esdrúxula ou não analisando os gastos de pessoal como proporção do PIB (e da arrecadação) nos últimos 15 anos.

quarta-feira, 31 de maio de 2006 12:06:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Esdrúxula porquê? O Lula vai dar reajuste pela inflação e reduziu a terceirização. Ou não?

quarta-feira, 31 de maio de 2006 12:07:00 BRT  
Anonymous paulob disse...

E tem outra: a comparação é entre o último ano de FHC e o último ano de Lula. Perfeitamente cabível.

quarta-feira, 31 de maio de 2006 12:21:00 BRT  
Anonymous Dourivan Lima disse...

Além do deputado, esse indicador gastos com funcionalismo/PIB é usado por mais quem mesmo? E destina-se a medir exatamente o quê?

quarta-feira, 31 de maio de 2006 13:30:00 BRT  
Anonymous Fernando disse...

mesmo reajustando os salários dos funcionários públicos pela inflação, coisa que o tucano não fez.

Errado. FHC não deu *aumentos lineares* pela inflação, mas reajustou individualmente as carreiras em percentuais muito maiores, em especial as carreiras ditas "de estado". Compare os salários da Polícia Federal, CGU, Planejamento e Itamaraty por exemplo, que tiveram enormes ganhos reais de salário no período.

Lula manteve a mesma prática de aumentos diferenciados por carreira, junto com baixíssimos reajustes lineares - todo mundo se lembra do 0,01% em 2005.

quarta-feira, 31 de maio de 2006 21:32:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home