sexta-feira, 5 de maio de 2006

Eu, Diogo Cão, navegador (05/05)

Não será um hábito, mas hoje vou colocar aqui o poema, sugerido por um bom amigo, de Fernando Pessoa. Se tivesse que escolher, escolheria os quatro últimos versos. Na ilustração ao lado, o desenho de um padrão (pilar, marco) erguido por Diogo Cão no Cabo de Santa Maria, hoje Angola.

PADRÃO (Fernando Pessoa)

"O esforço é grande e o homem é pequeno.
Eu, Diogo Cão, navegador, deixei
Este padrão ao pé do areal moreno
E para diante naveguei.

A alma é divina e a obra é imperfeita.
Este padrão sinala ao vento e aos céus
Que, da obra ousada, é minha a parte feita:
O por-fazer é só com Deus.

E ao imenso e possível oceano
Ensinam estas Quinas, que aqui vês,
Que o mar com fim será grego ou romano:
O mar sem fim é português.

E a cruz ao alto diz que o que me há na alma
E faz a febre em mim de navegar
Só encontrará de Deus na eterna calma
O porto sempre por achar."

Clique aqui para assinar este blog (Blog do Alon). Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

2 Comentários:

Anonymous Fernando disse...

Para quem um dia visitar ou revisitar Lisboa, um passeio imperdível é o Museu de Marinha, em Belém (ao lado do Mosteiro dos Jerônimos). Lá está uma réplica em tamanho original deste Padrão erguido por Diogo Cão em Angola, com um quadro retratando o que teria sido a cena de erguimento do Padrão, e estes versos imortais de Fernando Pessoa.

Pode se ver também réplica da Barca usada por Gil Eanes para passar o cabo Bojador (e "passar além da dor"), e ao ver aquela quase-canoa não há como deixar de admirar a incrível coragem destes homens.

sexta-feira, 5 de maio de 2006 14:14:00 BRT  
Anonymous Ivo Pugnaloni disse...

André Luiz Oliveira produziu pelos idos de 1988 um disco ( vinil,lógico ) demonstração para a Gradiente,chamado MENSAGEM, só com poemas de Pessoa, como o próprio padrão.

A cantar as composiçòes de André Oliveira sobre poemas de Pessoa, nada mais que a fina flor da MPB como Gil,Caetano, Gal, Elba, Elizeth, Ney Matogrosso, Alceu, Fagner...Um primor! Porque a Gradiente não relança aquele disco em CD?Seria um sucesso absoluto de vendas com certeza.E um belo presente à nossa nação luso-brasileiro-africana!

sexta-feira, 5 de maio de 2006 23:04:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home