quinta-feira, 2 de março de 2006

O inferno astral do PSDB chega a São Paulo (02/03)

Em meio a todas as más notícias provenientes de pesquisas nas últimas semanas, o PSDB recebeu hoje talvez a pior de todas. A Folha de S.Paulo trouxe reportagem com pesquisa Ibope no estado de São Paulo e Lula empata com os tucanos José Serra e Geraldo Alckmin no primeiro turno.

Diz o jornal que "o presidente registra 32% de intenção de voto na pesquisa Ibope, percentual idêntico ao do governador Geraldo Alckmin. No cenário em que enfrenta o prefeito José Serra, o petista obtém os mesmos 32%, contra 31% do prefeito". A reportagem dá alguns detalhes: "Tanto Serra quanto Alckmin batem Lula no interior (cerca de 70% do colégio eleitoral do Estado). No caso do prefeito, por 34% a 29%. No do governador, por 32% a 30%. Mas ambos perdem para o presidente da República na capital. Com Serra candidato, os paulistanos preferem Lula por 35% a 27%. Com Alckmin, por 35% a 32%".

No dia 14 de fevereiro, este blog publicou a nota A convergência entre Serra e Alckmin em São Paulo. Trazia três informações obtidas a partir de pesquisa reservada, que circulava na época entre tucanos paulistas e não podia ter os números divulgados, por não ter sido registrada no TSE: 1) ambos teriam desempenhos muito parecidos no estado de São Paulo caso viessem a disputar a presidência; 2) ambos bateriam Lula numa proporção de 3:2 no primeiro turno e 11:7 no segundo; 3) a diferença entre Lula e os tucanos em São Paulo estava diminuindo.

No dia seguinte (15), reproduzi aqui reportagem com o título Dois destinos interligados, publicada por este jornalista no Correio Braziiense, como o seguinte lide: "Os quase 28 milhões de brasileiros que votam em São Paulo são o terreno da batalha final no PSDB para saber quem vai ser o candidato do partido à Presidência da República. (...) uma larga vantagem em São Paulo sobre Luiz Inácio Lula da Silva será vital para as ambições do partido na corrida pelo Palácio do Planalto".

A reportagem prosseguia: "Admitem que dificilmente conseguirão reverter por completo a vantagem de Lula no Nordeste, mas acreditam que ela será compensada no Sul. No resto do país, fora São Paulo, o cenário que desenham é de equilíbrio. (...) Pensam que se conseguirem manter a diferença que têm hoje para Lula no eleitorado paulista, cerca de 20 pontos percentuais pelos levantamentos internos, poderão abrir algo como 5 milhões de votos e vencer a eleição".

Pelo menos no primeiro turno, a diferença evaporou-se. A Folha não trouxe números de segundo turno, mas é razoável supor que a vantagem de 15 a 20 pontos, detectada mais de um mês atrás e relatada aqui no último domingo, reduziu-se. Na melhor das hipóteses.

A luz vermelha não está apenas acesa, está gritando na cara do PSDB.

Leia também:

Onze pontos para tentar desvendar o enigma tucano (22/01)

0 Comentários:

Postar um comentário

<< Home