domingo, 19 de fevereiro de 2006

Em Brasília, os pobres reprovam Lula. Mas, quem é o "pobre" nas pesquisas? (19/02)

Pesquisa Ibope fechada no final de janeiro no Distrito Federal mostra que a maioria dos eleitores desaprova a maneira como o presidente Luiz Inácio Lula da Silva administra o país. Surpreendentemente (pelo contraste com outras pesquisas, nacionais), a desaprovação é maior entre os mais pobres e menos escolarizados.
No total da amostra, 47% desaprovam a maneira como o presidente vem governando, contra 42% que aprovam. A desaprovação chega a 57% na faixa dos que ganham até 2 salários-mínimos (R$ 600), onde Lula tem a aprovação de apenas 33%. Entre os que estudaram até a 4a. série do ensino fundamental, Lula é reprovado por 54% e aprovado por 34%. Nos que fizeram até entre a 5a. e a 8a. séries, esse placar é de 49% a 41%. Na faixa de até R$ 600 reais, Lula recolhe 41% de “ruim” e “péssimo”, contra apenas 26% de “ótimo” e “bom”. Esse mesmo placar é de 37% a 27% entre os que fizeram até a 4a. série, e de 36% a 25% na faixa dos que completaram da 5a. à 8a. séries. Clique aqui para baixar a pesquisa completa.
Essa avaliação se reflete nas intenções de voto. Veja na tabela acima. Lula estaria atrás de José Serra no DF já no primeiro turno entre os pobres. O tucano ganha de 37% a 19% entre quem ganha até R$ 600. Os números do Ibope no DF dão o que pensar. Ou os pobres do DF estão pensando diferentemente de seus colegas no resto do país, ou tem caroço no angu. O prefeito Cesar Maia, por exemplo, tem dito que a sustentação de Lula não repousa nos pobres, mas no Nordeste.
Talvez seja preciso os institutos definirem melhor o que chamam de “pobre”. No Datafolha, por exemplo, essa categoria cobre quem ganha até 5 salários mínimos. Ou R$ 1.500. Se fosse assim, 85% da população brasileira deveria ser considerada “pobre”. Está na cara que isso não faz nenhum sentido. Estão misturando alhos com bugalhos.

0 Comentários:

Postar um comentário

<< Home