quarta-feira, 22 de fevereiro de 2006

Comentários sobre o Datafolha de hoje (22/02)

Algumas hipóteses de trabalho sobre a pesquisa Datafolha divulgada hoje (veja as notas anteriores):

1) Lula voltou a ser competitivo, mas (ainda) tem suas fragilidades. Governantes costumam perder substância eleitoral durante as campanhas, pois o governo é o alvo da crítica de todos os outros candidatos. Por enquanto, Luiz Inácio Lula da Silva tem pouca gordura eleitoral para queimar, principalmente numa disputa direta com José Serra.

2) O descasamento entre, de um lado, a avaliação do governo Lula, e, de outro, a avaliação pessoal do presidente e seu desempenho eleitoral, mostram que a superexposição presidencial está surtindo efeito. Em contrapartida, os elogios diários de Lula a seu próprio governo (ainda) não parecem estar dando resultado.

3) O PSDB precisa reduzir a diferença de Lula no Nordeste para vencer. Um problema dos tucanos: no Nordeste, o PMDB é majoritariamente lulista. Como o PSDB quase inexiste na região, a guerra vai ficar por conta do PFL. O PSDB precisa torcer para que o candidato do PMDB seja forte (Anthony Garotinho) e empolgue o partido no Nordeste no primeiro turno.

4) O PT precisa reduzir a diferença dos tucanos no Sul para melhorar suas chances. Majoritariamente, o PMDB do Sul é antipetista e mais próximo do PSDB. O PT não tem aliados de peso nessa estratégica região.

5) Muito barulho por (quase) nada. As posições de Lula, José Serra e Geraldo Alckmin são estatisticamente as mesmas do final de 2004, mais de um ano atrás. Desde que acelerou sua pré-campanha, em dezembro, Alckmin recuou cinco pontos. O mesmo aconteceu com Serra nesse período. Mas é precipitado dizer que a crise não serviu (eleitoralmente) para nada. Quando (se) o assunto voltar ao noticiário e entrar no horário gratuito, Lula deve (pode) voltar a sofrer.

2 Comentários:

Anonymous Luis Augusto Símon disse...

Caro Alon;
Algumas observações (para sua apreciação) sobre as dificuldades de Lula no Sul.
1) No RS, com Olívio candidato ao governo e Rosseto ao senado, Lula terá um bom palanque.
2) Em SC, o governador Luis Henrique não poderá apoiar a família Bornhausen. Sobra Garotinho ou Lula. Acho que vai de Lula. Além dele, há Fritsch, que é bom de voto.
3) Requião, no PR, acredito que não tenha espaço para apoiar o PSDB. Deve enfrentar um dos irmãos Dias na sua busca pela reeleição.
4) Dizem que nenhum presidente foi eleito perdendo em São Paulo. Conmo você vê a situação?

Acompanho você desde os tempos de movimento estudantil. Um abraço

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2006 21:45:00 BRT  
Blogger Alon Feuerwerker disse...

Caro,

Até agora ninguém ganhou no Brasil sem ganhar em São Paulo. Escrevi sobre isso uns dias atrás. Não significa que não possa acontecer. Sobre o Sul do país, meu palpite é que o eleitorado do PMDB pende para uma posição anti-Lula, como aconteceu em 2004. Grande abraço e obrigado pela lembrança.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2006 22:56:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home