quinta-feira, 26 de janeiro de 2006

Como a globalização ajuda os países emergentes (26/01)

Postei na seção de artigos e textos de outros (mais abaixo nesta página, à direita) a coluna de hoje de Eliana Cardoso ("Liquidez Internacional e Orçamento Fiscal") no Valor Econômico. Ela defende que a globalização financeira está na base da melhora nas contas dos países emergentes. Veja um trecho:

"O risco-país e os spreads sobre os juros internacionais pagos pelos emergentes (...) caíram, em conseqüência de dois fenômenos. De um lado, a liquidez internacional e a busca dos investidores por aplicações diversificadas e com retornos mais altos. De outro, a melhora dos indicadores de saúde fiscal e vulnerabilidade externa desses países. O FMI calcula que 75% da redução do risco dos emergentes deve ser atribuída à liquidez internacional e 25% à melhora dos indicadores locais. A globalização financeira e a liquidez internacional também contribuíram para uma fantástica melhora dos balanços fiscais dos países emergentes. Grande número deles se valeu das condições externas favoráveis entre 2003 e 2005 para alongar o perfil de suas dívidas. Para cancelar dívidas cambiais (como fez o Brasil). Para trocar obrigações de custo alto por obrigações de custo mais baixo (ao contrário do Brasil, que, por razões políticas, preferiu pagar primeiro a dívida mais barata com o FMI, em vez de se livrar de dívidas mais caras)."

Clique aqui para ter acesso à íntegra do texto.

0 Comentários:

Postar um comentário

<< Home