segunda-feira, 14 de novembro de 2005

Jefferson: dinheiro vem de drogas

Alon Feuerwerker

Correio Braziliense, 14 de novembro de 2005, de Sinop (MT) - O ex-deputado federal Roberto Jefferson acusou o PT de alimentar o caixa 2 do partido com recursos do narcotráfico. Foi a passagem de mais alta temperatura no discurso que fez na noite de sábado em Sinop (MT), ao ser homenageado por lideranças locais num jantar. Cassado por denunciar o suposto mensalão, Jefferson recebeu tratamento de chefe político, mesmo que seus direitos estejam suspensos até o final de 2014.
A menção ao narcotráfico apareceu quando Jefferson dizia que o caixa 2 petista teria arrecadado R$ 2 bilhões, segundo ele cinco vezes mais do que recolheu PC Farias. “No governo Collor, o dinheiro vinha de empresários, de bancos, de operações de estatais. Mas neste governo vem de bicheiro, vem do narcotráfico; olhem só que coisa grave", atirou.

Palocci
O ex-presidente do PTB disse ainda que o antigo “núcleo duro” do Planalto montou o suposto mensalão. Afirmou também que só poupou o ministro Antônio Palocci em suas denúncias iniciais por pressões do empresariado e do próprio PTB. “Não faz isso, não desestabiliza, diziam”.
Jefferson disse ainda que o então tesoureiro do PT Delúbio Soares tinha livre trânsito no gabinete do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, tratado ironicamente por ele de “Deus Pai”. “Participei de três almoços no Palácio da Alvorada. À direita de Deus Pai, o Delúbio. E outras vezes eu estava com o Zé Dirceu, e o Delúbio passava pela sala para ir falar com o Lula, sem bater, sem agenda”.
Depois de atacar duramente o PT e Lula, o ex-presidente do PTB tomou o microfone de karaokê e cantou até as 2h de domingo.
Jefferson esteve no norte de Mato Grosso para atuar como assistente do Ministério Público num caso de homicídio. Não teve sucesso, pois o réu, acusado de ser o mandante, foi absolvido por 4 a 3. Foi seu primeiro júri desde a cassação.

0 Comentários:

Postar um comentário

<< Home